Importação de painéis solares no semestre supera 2020

Importação de painéis solares no semestre supera 2020

Estudo de mercado indica que preços dos kits fotovoltaicos se mantiveram estáveis, mesmo com o aumento do preço dos módulos

A pesquisa da Greener sobre o mercado de energia solar fotovoltaica no primeiro semestre deste ano, que contou com participação de mais de 1.800 empresas integradoras, apontou que o volume de painéis solares importados para projetos de geração distribuída e centralizada durante o período chegou a 4,86 GW, superando o volume importado durante todo o ano de 2020, que foi de 4,76 GW.

Do total de 2021, cerca de 66% da potência importada corresponde às tecnologias mono e poli perc. A Longi, Trina e Canadian Solar lideram o ranking de marcas de painéis solares, com 825 MWp, 811 MWp e 671 MWp de volumes importados, respectivamente.

Os módulos nacionais apresentaram redução na participação no período, representando 1,8% do mercado, frente a 3,8% em 2020 e 3% em 2019, segundo a Greener.

Já o volume de inversores importados no primeiro semestre do ano atingiu 4,54 GW, um aumento de 80% em relação ao mesmo período de 2020.  Na categoria de inversores até 9,9 kW, a marca Growatt liderou, com 247 MW importados. Nos produtos entre 10,0 kW e 49,9 kW, a Weg ocupou a primeira colocação (183 MW). Já na faixa acima de 50 kW, o maior destaque foi a Sungrow (853 MW).

O estudo apurou também os preços dos kits fotovoltaicos, que se mantiveram estáveis em relação a janeiro de 2021, mesmo com o aumento do preço dos módulos. A Greener estima que esse aumento foi compensado pela ampliação do volume de produtos com ex-tarifário e a ampliação da participação de inversores com custo mais baixo.

Na pesquisa, os integradores se mostraram otimistas em relação às vendas para o segundo semestre. Um percentual de 42% deles espera vender até 100 kWp até o final do ano, 36%, entre 100 e 500 kWp, e 10% espera atingir um volume de venda acima de 1 MWp.

A Greener cita ainda dados da Aneel que mostram que o Brasil atingiu 532 mil unidades consumidoras com sistemas de geração distribuída solar conectados à rede até junho deste ano, um crescimento de 40% em relação a dezembro de 2020. Ao todo, 689 mil unidades recebem créditos de energia, com crescimento de 46% em relação ao final do ano passado.

Outro dado apontado foi sobre a forma de pagamento dos sistemas: 54% das vendas efetuadas este ano pelos integradores entrevistados foram realizadas via financiamento bancário. “Em 2017, esse percentual era de 16%, o que mostra o grande avanço no acesso às linhas de financiamento para o setor ao longo dos anos”, disse Marcio Takata, diretor da Greener.

Fonte: energiahoje.editorabrasilenergia.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.