O poder da Industria 4.0

O poder da Industria 4.0

A Industria 4.0 também é conhecida como a Quarta Revolução Industrial, envolve um grande sistema de tecnologias avançadas como inteligência artificial, robótica, internet e computação em nuvem, que estão modificando as maneiras de produção e os modelos de negócios no Brasil e no mundo.

Esses termos em alguns tempos atrás não eram nada renomados, mas já na atualidade são conceitos familiarizado em parte de todo o cotidiano industrial. O fenômeno da Industria 4.0 está mudando a automação e a troca de dados, da mesma maneira as etapas de produção e os modelos de negócios com a utilização de máquinas e computadores.

Mas na verdade, o que é a Industria 4.0? É um conceito que representa a automação industrial e a inclusão de diferentes tecnologias, com o objetivo de promover a digitalização das atividades industriais por meio da melhoria de processos e eficácia na produtividade. Uns de muitos exemplos de tecnologias utilizadas na indústria 4.0 são:

  1. Inteligência artificial: refere-se a sistemas ou máquinas que mimetizam a inteligência humana na execução de tarefas e podem ser aprimorados iterativamente com base nas informações coletadas.
  2. Robótica avançada: dispositivos que operam de forma autônoma ou parcial, que interagem fisicamente com as pessoas ou seu ambiente e que são capazes de mudar seu comportamento com base nos dados do sensor.
  3. Manufatura aditiva: consiste na fabricação de peças a partir de um desenho digital, feito com software de modelagem 3D, por camadas finas de material uma a uma com uma impressora 3D. São utilizados materiais como plástico, metal, ligas metálicas, cerâmica e areia.
  4. Manufatura digital: é o uso de um sistema integrado baseado em computador que consiste em ferramentas de simulação, visualização 3D, análise e colaboração para criar simultaneamente processos de fabricação e especificações de produtos.

Após a aplicação do uso da indústria 4.0, foram analisados quais foram os benéficos adquiridos, é permitido um aumento de 22% de capacidade produtiva nas micro, pequenas e médias empresas em diversos segmentos. Contudo, as microempresas foram as que mais se beneficiaram do uso de tecnologias digitais.

Com tanta mudança transmitida por esse fenômeno, o profissional inserido na indústria precisa se adaptar a essa nova modalidade. Concluindo-se que o ganho da produtividade está mais relacionado com o quanto se aprende com o processo produtivo e como esse aprendizado se transforma em ações concretas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.